Em busca de metodologias investigativas com as crianças e suas culturas

Delgado, A. C. C.; Müller, F. (2005). Em busca de metodologias investigativas com as crianças e suas culturas. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, v. 35, n. 125, p. 161-179
http://www.scielo.br/pdf/cp/v35n125/a0935125.pdf

Este artigo apresenta reflexões sobre metodologias investigativas com as crianças e suas culturas, a partir do referencial da Sociologia da Infância. Este campo teórico considera as crianças como atores sociais que acionam estratégias de luta por meio das suas culturas de pares. Na produção acadêmica brasileira sobre as crianças e suas culturas, ainda não possuímos uma tradição de estudos que tratem das vozes das crianças por elas próprias. A questão motivou a organização deste texto em três sessões. Na primeira, refletimos sobre a ausência das crianças como protagonistas das pesquisas brasileiras e as influências de uma ciência androcêntrica, que nasce com a modernidade. Na segunda, apresentamos a etnografia das infâncias como possibilidade de contato e aceitação dos adultos nos grupos infantis para a compreensão das suas culturas de pares. Na terceira, levantamos algumas idéias acerca dos traços das culturas infantis como base teórica para a construção de outros modos de fazer pesquisa que articulem ciência e estética, razão e emoção, fantasia e realidade.

Abstract: This article features reflections on investigative methodologies with children and their cultures from the point of view of Sociology of Childhood. This theoretical field considers children as social actors that build fight strategies by means of their peer cultures. The Brazilian academic production on children and their cultures does not have yet a tradition of studies on the voices of children themselves. This issue has led to the organization of this text in three sections. In the first section we think of the absence of children in Brazilian researches and the influences of an androcentric science emerging with modernity. In the second section we present the ethnography of childhoods as a possibility of contact and acceptance of adults by groups of children in order to understand their peer cultures. In the third section we raise some ideas concerning the traits of children cultures as a theoretical basis for the construction of other manners of conducting research, which connect science and aesthetics, reason and emotion, fantasy and reality.

, , ,